Sunday, December 31, 2006

What happens in



... stays in 2006.

SMS XMAS RSVP



Um dos grandes problemas desta época festiva é a necessidade que as pessoas têm de fingir afecto por pessoas que na maior parte das vezes não têm qualquer significado é quase como nos casamentos, a sociedade espera que se convidem aqueles familiares que não existem no dia-a-dia mas que obrigatoriamente têm que presenciar todas e quaisquer cerimónias que envolvam actos solenes.
Este ano neguei a existência dos sms natalícios e respondi apenas às pessoas que me enviaram boas festas, a maioria bons amigos, uma parte de "dispensáveis" e ainda tive direito aos habituais números que não estão gravados no meu telemóvel, também conhecidos como "Desculpa mas não me lembro quem és.", e "Ainda não te mudaste para o Burkina? Pena..."

Sempre encarei a época natalícia como um sumatório dos nossos comportamentos durante o ano, é a altura em que paramos para pensar sobre o que é que aconteceu no último ano e aproveitamos para fazer estes pequenos retiros zen junto de quem importa, eu na minha inocência também pensei que era a altura de dar, dar sem esperar nada em troca, stupid me! Ouvi, com estes lindos ouvidos, que um dia a terra há-de comer, "- (...), mandei um sms a desejar-lhe um bom natal e ela nem sequer me respondeu."! HUM?!!!! E depois? Isso quer dizer que só lhe mandaste um sms à espera que ela te enviasse um de volta, ora aí está a essência do espírito natalício! Eu dou, mas se tu não me dás eu reclamo. Se estivermos dependentes de espíritos como este, nunca vamos ter nada porque só damos se recebermos algo em troca.
Ora toma!

Saturday, December 30, 2006

Amoeba


Na noite de ontem surgiu um convite para almoçar e infelizmente as células da Patripeirinha não estavam pelos ajustes, eu podia enfrentar a fera explicar que afinal ficava para almoçar ou apanhar boleia e ir sozinha, mais ou menos.
Um almoço no campo transformou-se em jantar enquanto duas amibas gigantes, comedoras de panados, se tornavam profissionais de couching.

Friday, December 29, 2006

See Six


O encontro começou perto das 8.30h e a afluência foi bem maior do que a esperada, com direito um jantar paralelo na capital e a uma invasão de outras edições.
Entre arroz de tamboril ou marisco, Muralhas e ou Evel o jantar foi animando, acabando num novo estado.
O panorama musical estava agridoce até porque o dj de serviço se recusava a pôr música "azeiteira", no entanto a t-shirt verde com Playboy escrita em screaming pink dizia outra coisa.
Enquanto o irmão Steve e o seu acólito tentavam converter algumas das almas femininas que se encontravam na pista, os cogumelos encontraram na humidade da noite o seu ambiente fértil e saltavam de um lado para o outro ao mesmo tempo que andavamos às voltas nos carrinhos de choque.
Telefonamos aos tios para nos virem buscar mas o whisky que beberam durante o tempo de espera fez com que preferissemos ir pelos nossos próprios meios.
A chegada a casa contou com o corpo de intervenção da PSP à porta, iluminando o caminho qual estrela do presépio, uma verdadeira aparição!
Telefonemas e sms de chegada e pronto, posso dormir.

Thursday, December 28, 2006

Presente atrasado



Pediste uma dica! Aqui está ela!

3 de Copas


Parecia que o dia não ia avançar grande coisa graças a uma noite mal dormida e a um chá de maçã e canela que durou mais do que devia, mas como a vida tem destas coisas, bastou o A. lembrar-se que era a vez dele me convidar para o almoço para que o dia ficasse mais agitado, infelizmente o tempo que tínhamos não deu para o café à beira mar mas foi o suficiente para estar com um dos meus grandes amigos antes do ano acabar.
De volta ao escritório...
A Parve apareceu por volta das 6.30h para me desencaminhar, e de repente estavamos na mecca dos bons negócios (onde um kit de costumização pode custar 1,25 euros!), tiveram que nos expulsar, mas não nos demos por vencidas, quitamos a nave espacial que nos levou a uma das melhores vistas deste lado da galáxia. Troquei o meu agasalho por um 3 de copas e umas piadas à custa de repetidos "Tá bem". Ainda tivemos tempo de visitar a dona Graça ao coração da cidade e marcar lugar para as melhores vistas.

Wednesday, December 27, 2006

Jogos de Guerra


As forças especiais tinham sido enviadas para as fronteiras do conflito, estavamos em plena guerra fria, jogos de estratégia, invasões controladas. Nenhum dos dois países queria ceder um mílimetro e não havia progressos de qualquer um dos lados. Até que os serviços de inteligência trouxeram a notícia que o território em questão há muito tempo havia sido anexado.
"A ONU não permite confrontos com as forças rebeldes em territórios não independentes."
Os rebeldes foram empurrados até à fronteira e conflito contido.
Várias medalhas de honra foram atribuídas.

Não há mais chá para essa mesa! 13-60 completamente!

Monday, December 25, 2006

Achado e perdido

Vi-te chegar e percebi o que está à tua espera. Nem o sorriso que tens para me dar é o mesmo, está mais fraco, mais breve. Sentas-te mesmo à minha frente e vejo uma das tuas pernas a tremer, com a mão decidida agarras nela e invertes a posição, sentes o meu olhar pousado em ti e olhas para mim como se fosse uma coisa sem importância, devolves-me um sorriso que me aquece e me relembra o mesmo de sempre.
Falas com toda a gente, contas piadas, relembras amigos e tempos de infância mas eu sinto a dor, vejo como em pequenas fracções de segundo os dentes não se soltam e a tua voz afunda-se na garganta, como guardas o segredo em ti e como isso também te dissolve.
Não tenho imagens, cores ou sons que em me apoiar para te descrever, tenho-te a ti enquanto puder.

Sunday, December 24, 2006

Natalicious



O que começou como uma forma de me pirar de casa durante a fritura das rabanadas, agora é uma tradição de alguns anos.
Todas as vésperas de Natal, junto duas amigas e vamos comer uma refeição o menos natalícia possível, o que normalmente acaba em chinês!
Este ano, V. chegou só (!!) 15 minutos atrasada, I. preparou um stroganoff de camarão, o baby Bola destruiu tudo à nossa volta enquanto pedia mais "pangerinas".

Saturday, December 23, 2006

Cantorias



Algures na noite fria, fazias uma boa acção, eu sem coragem para te acompanhar procurava conforto e força para enfrentar mais um Natal.
Começou com uns acordes tímidos, enquanto P. era escravizado na outra sala, passou por vários temas já com mais vigor, e acabou com a Kylie em 3 vozes.
A noite do gato foi baptizada como "Ciclo - Às voltas com pessoas que não são do Porto".
Ainda houve, para quem quis, pão com queijo, cortezia do J!

Friday, December 22, 2006

Do widzenia, do jutra (2006)


Jantar em casa de M.
Bastou os mexilhões entrarem na sala para que a conversa tomasse outro tom.
Roman Polanski sentado num dos mapples com uma pose serena, ouvia com atenção as discussões que surgiam. A comida veio para a mesa e a atenção virou-se para assuntos do quotidiano e piadas sobre o Natal. Três mulheres alheadas ao resto da sala conversavam no sofá vermelho rubi, duas outras, perto da janela, trocavam olhares com os homens. O café foi servido, a discussão ficou mais forte, L soltou-se da cumplicidade e entrou na discussão, Polanski continuava atento e apenas intervinha quando, por momentos, o tom descia. Os assuntos foram ficando mais leves assim como o ambiente foi ficando mais denso de fumo. A noite em casa de M acabou mas nem por isso eu estava com vontade que a minha acabasse.

Rotunda da Boavista > Cena surreal, um SUV branco, um Porsche cinzento, 2 míudas estrangeiras tão altas como magras, um asiático com ar de perigoso, 2 tipos com ar de segurança e um de bigode e fato de mau corte com ar de...
Demasiado para uma rapariga sozinha num carro, tempo de sair dali.

Cordoaria > telefonema para perceber que afinal todos os planos tinham passado para a Boavista e já estavam todos lá. As possibilidades eram vagas.
Sem querer acordei uma amiga e resolvi que a noite era para mim.

Estacionamento via verde, subida ao frio com ar de poucos amigos. À porta um telefonema bastante exaltado e como não fui vista entrei, segundos depois o encontro, os sorrisos. O ambiente tinha dois tons. A música pesada fez com que a conversa se diluísse mas nem isso foi capaz de desligar a empatia, os amigos foram saíndo e nós ficando.
Trocamos os dois segredos em que a condição humana se apoia e rimo-nos com a facilidade com que as coisas se complicam.
Estava na altura de sair mas como ninguém queria que a noite acabasse, as discussões continuaram de uma forma tão envolvente que não senti o tempo a esgotar.

13-20... quase.

Thursday, December 21, 2006

04 us


Mais um jantar de natal.
Dentro do grupo 4 pessoas que vão estar sempre ligadas por uma experiência partilhada.

Tuesday, December 19, 2006

Maratona 02



Das 14.30h às 23.45h a ver trabalhos in loco aka mais 1h de viagem...
Ahhhhhhhhhhhhhhhhh!

Sunday, December 17, 2006

Smart Moves


Quando passamos 6 horas com a mesma pessoa no mesmo carro várias coisas podem acontecer:

abrimos a janela e saltamos para o meio da estrada, já que a morte é um cenário maravilhoso quando comparado com mais uns segundos naquele espaço confinado,

desejamos com todas as forças que houvesse um transporte alternativo,

adormecemos ou fingimos que adormecemos para que a viagem acabe o mais rapidamente possível,

mantemos a conversa no nível mais básico e se possível despejamos todo o nosso conhecimento sobre o tempo e as condições meteorológicas,

criamos uma empatia tal com o nosso companheiro de viagem que frases ficam incompletas, o tempo passa a correr e os momentos de silêncio são preciosos.

Não sei bem quando nem como, mas criei uma alergia terrível a viagens longas de carro principalmente quando não sou eu a conduzir, fico em tal tensão que ou o meu corpo se desliga como num ataque de narcolépsia ou passo a viagem a mexer-me de um lado para o outro no espaço disponível, travo em seco com o risco de enfiar os pés no motor, finco as mãos num dos apoios laterais até as minhas unhas trespassarem a palma da minha mão, nessas alturas a minha hérnia de estimação lembra-se que tem direito a voto e não pára de me chatear. Um verdadeiro pesadelo.
Hoje a viagem passou a correr mas melhor que uma viagem sem sobressaltos foi o facto de ter viajado com uma pessoa que me entende perfeitamente, que me diz:
"(...) Dizes essas coisas da boca para fora mas sabes bem que não o farias porque não és assim."
Tens toda a razão! Obrigado pela boleia!

Saturday, December 16, 2006

VMawards 06



O vento estava de feição quando a viagem começou, escusado será dizer que também estava frio!
A primeira paragem, que seria para repor os níveis de cafeína acabou por ser uma desculpa para aviar dois pregos no pão mistos, dois sumos de laranja, um lanche e claro um bolo e cenoura, isto tudo a 500 metros do ponto de partida...
Uma A1, uma A8, uma saída ao km 44, umas quantas entradas e saídas de nacionais, várias rotundas, imensas luzes amarelas na via verde, uma paragem para uma sopinha passada (para a bebé) e um café (para mim) depois chegamos ao destino! Uns segundos de silêncio enquanto subíamos o caminho até ao mamarracho plantado na falésia, depois de a selecção musical da viagem andar entre o hardcore shake e o shake hardcore, para abrir o apetite!
Fomos as primeiras a chegar e como não havia nada para fazer (tirando o golf, o spa, as massagens Vichy, a piscina, o salão de jogos, o bar e a praia) sentamo-nos no lobby a fazer contas à vida.
Ao fim de 4 horas, tínhamos as contas quase terminadas, descoberto que Amyn é nome de rapaz, as senhas de racionamento distribuídas e a companhia de um grupo que até era bom em somas, de destacar: chef Bernardes, Sóce mais 2 sóces, mestre Manuel Aroso, António Na Posse d' Toalha, Cat-Non-Stop e Simão.
Durante o jantar, realizou-se um workshop de Tagging sob a orientação de Ricardo David (PhD), patrocinado pelo Bazar do Oriente e pelas canetas Edding 3000, workshop este, que devido à adesão massiva, prolongou-se para o bar e mais tarde, pela noite dentro.
O bar encheu e esvaziou por diversas vezes (tal como os copos dos senhores Antero e Bandeira) antes do batalhão ter finalmente invadido a grande discoteca, diversos programas alternativos aconteceram nesse período incluindo, um preview do próximo programa do Discovery Channel "Camaleões Urbanos - a adaptação às novas realidades" e a tertúlia habitué no sofá da entrada, nesta noite com o tema: "Construtivismo - Elevador ou Escadas?".
O pequeno almoço foi servido às 6h em ponto, e acreditem porque nós estávamos lá na abertura das portas qual concerto dos Rolling Stones.
Durante este repasto contou-se com um sortido variado, não só de mostras da qualidade da indústria panificadora do nosso Portugal, como também de ressacas dependendo do número e qualidade das bebidas ingeridas.
Para alegrar a manhã o mestre M. Aroso declamou para uma plateia atenta, pérolas dessa grande obra "Puro Aromas", e como pessoa cheia de talentos, juntou-se a António P. numa oficina completa de Balooning, um crash course em Accounting (método dos 55 euros) e uma pós-graduação em Orientação Espacial (triangulação de portas).
Depois de tanta emoção e aprendizagem conseguimos dormir 5 horas antes de pôr em prática alguns dos conhecimentos adquiridos horas antes com enfâse para "Chamadas pouco anónimas - esse grande mito", tirando os de Orientação Espacial, já que esses requerem supervisão de um doutorado ou de um representante oficial da Siemens (que infelizmente estava em mãos com uma auditoria).
O grupo das somas juntou-se ainda em jeito de almoçarada no Chez Bernard, como não podia deixar de ser, para trocar apontamentos e cantar algumas canções de intervenção como "Love is Strange".
As despedidas foram rápidas (coisa de 1h) e tristes, houve até quem não aguentasse a ideia do adeus e sucumbisse à loucura na entrada da A8, encarnando um toureiro e enfrentando os automóveis como ferozes touros.
Foi um fim de semana calmo e sereno, de meditação e introspecção... NOT!

Agradecimentos: Floriparve, Tatagolosa, Edding, Siemens, Bazar do Oriente, Smart, Chez Bernard.

Friday, December 15, 2006

Desabafo



Hoje vi alguém que em tempos considerei amiga, não era uma amiga do peito, mas como diz o outro, em caso de dúvida, compra. Estava parada à minha porta dentro de um carro, e quando me viu chegar, virou a cara para o lado oposto como se alguma coisa se passasse do outro lado de uma rua completamente deserta, à meia-noite... Por 5 segundos voltei a ser a mais alta da turma, magra como um espeto e a achar que a inteligência distanciava-me da popularidade.
Ao menos eu cresci e só uns pequenos flashbacks provocados pela criancices dos outros me levam de volta à infância.
Miúda... Grow up!

Thursday, December 14, 2006

Maratona


Das 14h à 1.30h a ver trabalhos... Help!

Tuesday, December 12, 2006

Auto...



Gostava de ver a versão para o metro...

Sunday, December 10, 2006

Bye



"A cidade está deserta
E alguém escreveu o teu nome em toda a parte"

Saturday, December 09, 2006

Quinta a um sábado



Depois dos excessos do dia de ontem resolvemos fazer algum exercício físico, é claro que estas coisas são sempre decididas no dia anterior, no calor do lar, aquecidos pelo chá, com uma mantinha nas pernas.
Estacionamos o carro no topo de uma colina, em frente a uma capela, resolvemos seguir o percurso histórico que é como quem diz, caminho escorregadio de pedras e de terra, folhas, lama, felizmente não tropecei em nada como é hábito. Mal chegamos à aldeia começou a chover e o frio era tal que não conseguia sentir nem as orelhas, nem a ponta do nariz. Os cafés estavam cheios de locais e visitantes que tinham sentido, tal como nós, o apelo do frio e da natureza.
Arranjamos um mapa no posto de turismo para, pelo menos, encontrarmos a tal capela onde tinhamos estacionado o carro enquanto calculávamos o doloroso regresso, mesmo no meio do mapa estava marcado uma quinta, cheia de desenhos de torres e jardins labirinticos, não ficava propriamente no caminho de volta mas também não o alongava mais.
O terreno circundante era imponente mas nada me faria prever quão fantástico era o jardim (jardim é uma palavra pobre para o descrever, já que o meu, ao lado daquele, parece um terreno baldio de 2x2m).
Subimos algumas torres, descemos outras tantas, passámos por lagos e pedras "suspensas" na àgua, encontramos uma clareira com duas arcadas brancas, numa delas nada, um muro de pedra, na outra escuridão, uma gruta. Como miúdos, com os telemóveis na mão a iluminar mal o caminho, seguimos por aquele buraco na rocha, por momentos perdi-me, passaram segundos mas a sensação de não me conseguir orientar foi tão forte que senti as pernas a perder força e quase me baixei, uma mão agarrou o meu casaco e puxou-me até conseguir ver um fiozinho de luz solar. Do outro lado do buraco... um lufada de ar frio, húmido e rarefeito e a incredulidade!
Estava dentro de um poço, mais precisamente a meio das escadas que ladeavam o poço de 15 metros, em cima um céu azul acinzentado, em baixo um chão claro iluminado pela luz que mal chegava lá. A água escorria e pingava pelas paredes, criando uma pequena sinfonia que ressoava ao longo de todo o percurso.
Vi coisas lindíssimas naquele jardim mas depois do poço tudo parecia menos emocionante.
Fomos seguindo o percurso indicado no mapa até ao portão e como ainda nos sentiamos travessos trocamos o sentido de algumas placas que indicavam o sentido da saída.
Enquanto fumava um cigarro, a olhar para uma das muitas estátuas brancas, recebi, uma mensagem vinda de longe, que tinha ficado pendente naquele limbo tecnológico, que me fez esquecer o frio que nunca nos tinha deixado e me colocou em frente a uma lareira com direito a uma bebida quente.

O banho quente e o jantar a relembrar Marrocos, que seguiu este contacto com a natureza pareceram irreais, ainda estava com a minha cabeça no poço, felizmente o corpo estava no calor.

Friday, December 08, 2006

Instantâneos



7.20h
Sobressalto (estranha sensação no peito), pisco os olhos, a luz vermelha diz-me que ainda posso dormir mais 15 minutos e faço intenção de os aproveitar até ao último segundo.

7.35h
Hung up da Madonna em tom polifónico (estas minhas ideias, às vezes, são tão infelizes).
Levanto-me a custo até me lembrar que graças ao pesto não fiz a mala ontem, este pequeno clic, que se faz na minha cabeça, obriga-me a entrar em expert mode enquanto atiro metade do conteúdo dos meus armários para cima da cama (a minha empregada vai ter um fanico).

10.20h
Afinal sou mesmo perita e consegui fazer tudo o que queria, inclusive secar o cabelo, encontrar uma camisola perdida desde o inverno de 2005 e ter uma conversa bastante relaxada com o meu pai.

11.15h
Encontro o meu lugar, passo os olhos por revistas sem interesse nenhum, tomo um café com um leve sabor a mofo, ouço música até que o sol me obriga a fechar os olhos...

14.30h
Quatro pessoas dentro de uma cabine de fotografias, risos altos e queixas do aperto que se sente lá dentro, sorriso das pessoas que passam e nos vêm sair. Um momento capturado para sempre.

15.10h...
Almoço, risos, conversas, cigarro, compras, risos, lanche, cigarro, comida, ruas, pessoas, cigarro, natal, comida, vinho, risos, conversas, cigarro, cigarro, jantar, conversas, risos, copos, cigarro, chá, conversas, cigarro, cigarro, conchinha, cama.

5.20h
Sobressalto (estranha sensação no peito).

Thursday, December 07, 2006

Eu pesto



Devia estar a recuperar da semana agitada e a preparar o fim de semana, mas isto encaixava perfeitamente num warm up.
Uma massa com um pesto fresco, feito na hora à lá L, foi só o início, sim porque o H não deixou a bebida por mãos alheias e eu, o R e a Dra. S estivemos lá para acompanhar.
Como não podia deixar de ser, quando as mulheres estão em maioria, a conversa "descambou" em análises da espécie humana masculina, grandes conclusões foram retiradas, tantas que davam para um outro blog, mas isso é outra história, além do mais não podemos abrir o livro assim para todos, estas pérolas têm que ser doseadas, de outra forma o mundo tornava-se menos complexo... menos difícil e sem graça nenhuma.
Vou tentar aqui reproduzir um dos diálogos que levantou grandes questões:

(...)
H - Mas eu também gosto das pizzas da Pizza Hut mas a massa fina deles não é propriamente fina.
Dra. S - Não é fina???
H - Não! É bem grossa!
Dra. S - Isso depende do que consideras grosso.
(risos)

Dica da semana: "Homens, hetero, que cozinham bem não são grande coisa na cama, devem saber fazer uns petiscos, umas tostas, umas entradas, não muito mais."

Wednesday, December 06, 2006

Os opostos



O primeiro é um livro de Ariel Levy, que acusa as mulheres de se comportarem como estúpidas, quando não o são, para não assustarem os homens, revelando apenas um lado sexual e falsamente desinibido, o outro é de Sissi, uma anónima que, como tantas hoje em dia, escreve um blog contando e comentando a sua vida explorando a faceta do sexo que Ariel critíca.

Mas o que me levou a escrever este post é mais óbvio que o conteúdo de qualquer um dos livros, para o leitor menos atento passo a explicar:
Que raio de designers temos no nosso país (ou não mas assumo que seja português) que não é capaz de fazer uma capa decente sem ter que plagiar uma já existente, e o pior é que foi logo escolher uma que não só é mais conhecida que o tremoço (graças à princesa do povo americana) mas também enxovalha o comportamento de princesas como a Sissi. É nestas alturas que tenho vergonha de dizer o que faço, não vá alguém dizer "Ah, a menina é copista!"

Tuesday, December 05, 2006

O poder da gata



Por um concerto destes o sacrifício de trocar a comida da minha mãezinha por um Cheese ranhoso a caminho da Boavista, parece perfeitamente aceitável.
Nem o facto de, há bem pouco tempo, ter largado 30 euros numa multa de estacionamento no mesmo sítio do concerto desta noite me desanimou, talvez por isso a sorte sorriu-nos e um lugar, mesmo à medida do Hondinha, estava à minha espera a 15 segundos do Batalha.

Chan esmerou-se e desdobrou-se em coreografias agitadas que roçavam uns whiskeys a mais e uma ou duas linhas antes do espectáculo.
Em forma de desculpas pelo mau comportamento de um concerto anterior fez uma cover improvisada de "Crazy" e "Who knows where the time goes", criando um ambiente de tal forma íntimo e sossegado que nos fez sentir na sala de velhos amigos, absolutamente sublime, estragado só por um bando de dois anormais que infelizmente estavam sentados mesmo atrás de mim.

Cat Power you're the greatest!

Monday, December 04, 2006

Complexidade humana



Há bem pouco tempo alguém me disse que eu era uma pessoa difícil.
Como na altura as coisas estavam a correr a mil à hora considerei aquela frase como insulto e desliguei-me dela até à uns dias atrás.
Comecei a escrever este post na quarta-feira mas as ideias surgiam tão confusas que não era capaz de fazer frases concisas sobre o que me passa pela cabeça, nem sei se o vou conseguir, mas não quero nem posso deixar passar em branco.
É claro que sou uma pessoa difícil, mas não somos quase todos? Só quem acha que estar neste mundo é fácil pode dizer estas coisas. Conheço pessoas fáceis de se gostar, conheço pessoas fáceis de se detestar, ir beber um copo, ficar a conversar até um novo dia surgir mas felizmente não conheço "pessoas fáceis ponto final".
Não consigo imaginar-me a passar pela minha vida sempre com um sorriso nos lábios, com a sensação de bem-estar anestesiado permanente, desligar-me de tudo e de todos e fingir que as coisas que se passam à minha volta não me afectam.
Hoje sei que, para mim, foi um elogio, sou uma pessoa difícil e tenho algum orgulho nisso.

Saturday, December 02, 2006

Parabéns!



Mais uma volta, mais uma viagem! De barco, claro!

(post a ser revisto e aumentado mal recupere da noite)

Friday, December 01, 2006

Independência


Nada como celebrar a independência com uma série de programas de self-help antes de um chá de maçã com canela e boa companhia!

Thursday, November 30, 2006

Adeus novembro



Qualquer desculpa é uma boa desculpa para reunir os amigos e festejar qualquer coisa.
Paio (slightly spicy), pão (slightly dry), Dão (slightly sparkly), Monte Velho (slightly open), sushi (slightly late).
Um workshop de screening, várias mudanças de roupa, uma promessa feita sobre rábano e wasabi... estamos no táxi (complete nutcase) a viajar pela cidade chuvosa, e enquanto o rádio debita uma série de ordens interrompidas, fingimos que estamos em Nova Iorque a caminho da mais glamorosa das noites.
Um encontro pouco fortuito e muita conversa levou-me até uma das melhores vistas da cidade, o frio levou-me até um sítio familiar e o tempo parou até o dia nascer.

Wednesday, November 29, 2006


Ás vezes as coisas boas da vida estão tão perto que nos esquecemos delas.

Foi um fim de dia engraçado, já que não o começo não foi grande coisa. Estava no aconchego do lar quando recebi um telefonema desafiador para um copo em noite de trabalho, normalmente prefiro ficar em casa, deitar-me relativamente cedo e digerir mais umas doenças mentais, mas hoje não, o convite pareceu-me bastante razoável, nem hesitei. Acabou por ser bem melhor do que tinha antecipado, boa companhia, uma lareira, superbock, um telefonema de um amigo com quem não falava há mais de 2 anos, tornaram uma noite igual a tantas outras numa noite diferente de todas as outras.

I play dead



A noite tem destas coisas.

"darling
stop confusing me
with your wishful thinking
hopeful embraces
don't you understand?

i have to go through this
i belong to here where
no-one cares and no-one loves

no light no air to live in
a place called hate
the city of fear

i play dead
it stops the hurting
i play dead
and the hurt stops

it's sometimes just like sleeping
curling up inside
my private tortures
i nestle into pain
hug suffering
caress every ache

i play dead
it stops the hurting"

Play Dead • Björk

Tuesday, November 28, 2006

Nº5



Depois da metáfora... paralelismo.

Sunday, November 26, 2006

Das Parfum



Só um bom filme nos faz esquecer que é domingo.

Saturday, November 25, 2006

Pitch fork



Há dias em que não devíamos sair de casa, mas este não foi um deles.
A noite começa tarde, o trabalho arrasta-se para além da hora de jantar, além disso um dos membros activos está ausente.
Telefono à menina azul, numa tentativa de a desencaminhar, mas o sofá e o filme não estão à altura dos meus planos sem consistência, portanto vou pregar para outra freguesia.
Uma passagem rápida em casa da Maga para levantar a moral, o mau olhado, um O e um R.
Via verde até uma noite chuvosa, uns calções alados e 50 cêntimos indicam o caminho e nós como bons seguidores nem pestanejamos.
Os flocos estão estaladiços, os encontros são imediatos a 360º graus, trocam-se números, risos, olhares, despedidas, a temperatura arrefece e quase seguimos o trilho dos coelhos mas em caso de dúvida vira-se à esquerda.
Na floresta a noite adensa-se, não se vê uma única estrela, os predadores estão à solta mas nós não somos presas, num dos caminhos encontro um labirinto conhecido mas decido voltar para trás, uma árvore passa por nós repetidamente. De volta ao ponto de partida, assustamos um esquilo, rimo-nos de um gato que fala francês, espantamos um texugo, cumprimentamos um lobo e saímos para a estrada, ainda não se vê nenhuma estrela e pressinto que não vou ver nenhuma tão cedo.

6.30h Um sms das cidades para as serras.

Friday, November 24, 2006

2 é companhia, 3 é uma festa!



Depois da tempestade vem a bonança, mas como a tempestade ainda não tinha terminado, tivemos que ir buscar a bonança a casa, levámo-la a jantar, demos-lhe mimos e boa disposição.
E quando a tempestade se foi de vez, a bonança levou-nos até um magusto fora de tempo e fora de sítio, onde a dj Power nos deu música, o peixe nos deu mais uns motivos de conversa, a amizade nos levou ao passado, uns telefonemas trouxeram-nos ao presente e a mini nos deu vontade de rir.

"Já não vão mais mines para essa mesa!"

Errata

Onde se lê "La Tempesta" deve ler-se "Sabias lá o que isso era até ao dia de hoje!"

Temos pipis!


© Madrid Loquo

Paralamas da minha tia diz:
qui és um bote com pis de chica?
Paralamas da minha tia diz:
é aquilo q eu estou a entender???
E a Garrafa q era JanoTa....Virou um PoTe de ComPoTa !!!!!! diz:
um boião de xixi
Paralamas da minha tia diz:
!!! disgusting!!!
E a Garrafa q era JanoTa....Virou um PoTe de ComPoTa !!!!!! diz:
podes crer
E a Garrafa q era JanoTa....Virou um PoTe de ComPoTa !!!!!! diz:
too easy of a money LOLOLOL
Paralamas da minha tia diz:
blhac blhac *grómito grómitu*
E a Garrafa q era JanoTa....Virou um PoTe de ComPoTa !!!!!! diz:
lol
Paralamas da minha tia diz:
LOL
Paralamas da minha tia diz:
se carregarmos no botão que diz ayuda ele vai directo pro hospício?
E a Garrafa q era JanoTa....Virou um PoTe de ComPoTa !!!!!! diz:
nop
Paralamas da minha tia diz:
pena

Thursday, November 23, 2006

Encomenda


© Magritte

Hoje, quando cheguei a casa, em vez das inúmeras cartas que recebo a lembrar que a subscrição X está a dar o berro, tinha à minha espera a Creative Review de dezembro e um envelope almofadado do Correio Verde. Lá dentro o meu novo Onboard Reading que vem preencher aquele espaço cinzento das minhas noites.

Coisas de gajas



Achei que se treinasse o suficiente seria uma profissional a usar eyeliner e escusava de ter que pedir a alguém sempre que quero por um risco direito sobre a pálpebra... A única coisa que consegui realmente foi parecer um panda!

Wednesday, November 22, 2006

Em só nia


"Joy Luck Club" Massive Attack

A televisão está num canal que há muito acabou a emissão, a luz enviada pela estática é azul e difusa, tudo o resto está imerso na escuridão. O silêncio que passa por baixo da porta é interrompido, de vez em quando, por um som agudo de uma travagem repentina. Estou tão absorvida pela não-imagem que nem me dou ao trabalho de perceber o que se passa lá fora.
A música está em repeat há pelo menos 40 minutos, assim como o movimento que acende mais um cigarro e que enche a sala, por uns segundos, de uma luz tão intensa que me obriga a semicerrar os olhos, mas isso não chega.
As imagens sucedem-se entre as pequenas pintas cinzentas e brancas, histórias que conto a mim própria, que me deixam suspensa porque os minutos aceleram, quando imagino o dia que se adivinha, porque os minutos se demoram, quando sinto o corpo a perder forças, porque o sono não vem.

Sunday, November 19, 2006

SMS SFF


Tive uma premonição que hoje teria trabalhar até tarde... (!)

Todos os meus amigos estavam em casa a ver a chuva a cair e eu sentada em frente ao computador, entre pequenos electrodomésticos, cortinas voile, blackouts, sofás e estofos, imagens 3D, cigarros, bolachas de gengibre do MiniPreço e maçãs com mais de uma semana.
Os convites para tomar café foram quase tantos como os emails de Spam da nossa querida rede infelizmente tive que fazer o mesmo que fiz ao junkmail... carregar na tecla de delete.

Mais um sms. Achei que seria mais um café para recusar, no fundo queria que fosse Aquela mensagem, na realidade:

"Alerta pessoal... as msg acabam dia 18 d dezembru e vao acabr pa SEMP... s n akeditas lga pa vodafone...x ate kinta esta msg nao passar pur 800numrus as sms acabam... mas s passarem pur mais d 800 as msg fkam pa semp... FORCA PAXA A SMS A TODU U PEOPLE PF."

Eu não conheço o número, mas isso não é estranho porque eu não conheço nenhum people que escreva passa com X, e que seja suficientemente burro(a) para me enviar uma messagem deste calibre e não ser gozado para o resto da vida.
É claro que isto não vai ficar assim, vou gastar meio cêntimo (sim 1/2 cêntimo) para responder a este (a) parvo (a).

Se quiser deixar a sua sugestão de resposta carregue no link "passengers" e aguarde a sms de confirmação.

Saturday, November 18, 2006

Noite azul



Passei o todo a trabalhar, sim num sábado, e o domingo vai ser igual... mas as noites do fim de semana são minhas e de quem aguentar o meu ritmo!
Já que ainda não "consegui" inscrever-me num ginásio danço como se a minha vida dependesse disso!

... there's no other way, all that you can do is watch them play... Blur

Friday, November 17, 2006

La tempesta



A chuva ameaçava há já uns dias, mas como o dia começou em tons de azul pensei que a viagem ia correr sem problemas, o que aconteceu até ao km 60.
De repente o céu escureceu, nuvens da cor do chumbo espalharam-se rapidamente como farrapos imundos, a chuva veio com toda a força. O dilúvio durou 15 minutos, mais que suficiente para acelerar o meu coração ao ponto de uma síncope, enquanto deslizava a 70 km/h.
Da mesma forma que chegou, partiu, os farrapos rasgaram-se deixando passar um sol tão forte espelhado na estrada coberta por um fino lençol de àgua.
Senti-me tocada por uma luz divina, como aquelas pessoas que enganaram a morte no último momento.

Wednesday, November 15, 2006

Jantar de Ouro



Dieta de Prata!

Tuesday, November 14, 2006

Quando for grande...


© CPD

...quero ser désainare.

Podia ser um teste de Rochard, podia ser um avião, podia ser o Super Homem, mas não(!), é a Diversidade Humana!!!

Anã (pessoa de baixa estatura do sexo feminino) devido à sua estrutura física não tem direito a maminhas, em compensação tem um lindo cinto (monóculo), próprio destas pessoas, que normalmente é feito a partir de óculos para cegos (pessoas invisuais).

Cego (pessoa invisual do sexo masculino)
• bengala à lá Charlie Chaplin, muito en vogue nos dias de hoje e uns óculos de natação.

Senhora mutilada (pessoa do sexo feminino atacada pela seta branca do Freehand)
• seios avultados, de tronco alto e pernas curtas com um característico corte biselado num dos membros superiores.

Membro de um Gang (pessoa do sexo masculino envolvida em actividades de grupo)
• perna engessada devido a um encontro com um membro do Gang rival
• calça arregaçada - símbolo do seu Gang
• fã do Michael Jackson envergando uma bota branca.

Grávida (pessoa do sexo feminino gestante)
• barriga tipo duplex em forma de 8 que pende sobre uma saia de ângulos agudos.

Saturday, November 11, 2006

Sábado Workz!

Inscrevi-me num workshop de Felting! Senti-me completamente desajustada naquele grupo mas eu já tinha ideia que isso iria acontecer e não impediu em nada que não aproveitasse ao máximo o que eu queria tirar dali. Piquei os dedos umas 10 vezes, não estava mínimamente "inspirada" e de vez enquando o meu pensamento vagueava para os últimos dias.



Antes de ir para casa, já que estava perto, passei em casa de uma amiga que acabei por convidar para jantar e onde assisti uma relação entre espécies (!don't ask!).
Uns chamam-lhe peixe crú, outros Sushi, eu chamo-lhe FAB!
Comemos no bar seguidas de perto pelos chefs Master Yoda, Dalton e Gollum supervisionados pelo omnipresente PatoHaua.



Tentativa de tomar café no vício do costume, tentativa de beber uma sangria ou uma Marguerita noutro sítio, cerveja iluminados pelo Pedro Cabrita Reis e um workshop de ordigami (origami ordinário ou pornigami) de meter inveja.
O grupo aumentou e segundo o Oráculo do POD (também conhecido por "quantos queres") eu iria acabar a noite noutra cama e se um desconhecido me oferecesse flores eu fumava um cigarro!
Mais uma volta, mais uma viagem, cigarro ao lado do coador, Patripeirinha knock-out, próxima paragem Traiplécs.
O gato estava nos pratos, Viktor & Rolf de um universo paralelo, deram um ar de sua graça, eu?, eu dancei até o meu corpo não aguentar mais.

Friday, November 10, 2006

Little fish



As sextas são sempre dias complicados, queremos sair mas ao mesmo tempo o peso de uma semana de trabalho prega-nos ao sofá.
Por isso decidi o que ia fazer hoje 2 dias antes de chegar a preguiça.
Saí do escritório a correr para jantar e ainda ter tempo de tomar um banho antes das 21.10h! Claro que a minha boleia chegou antes de eu ter conseguido secar o cabelo, é nestas alturas em que me arrependo de o ter cortado, é tão mais fácil prendê-lo quando está comprido. Uns ganchos perdidos numa gaveta, um elástico a morrer de velho e prontíssima!
Ainda me fui a pentear enquanto o Volvo seguia a grande velocidade pela cidade tudo porque a partir das 21.30h já não nos deixavam entrar.
Estacionamento à "patrão" tão evidente que a brincar nos perguntaram se o TeCA era nosso.
Durante a hora seguinte fiquei completamente absorvida por "La Sagra del Signore della Nave", pela forma como a dignidade humana é retratada, como o Homem é comparado a um Porco...
Umas cervejas e dois dedos de conversa no bar do teatro, risos e piadas recorrentes, a noite parecia estar a terminar até que aLguém se lembrou que ainda podíamos ir só um bocadinho aos Maus Hábitos, só para não irmos logo para casa, com a condição eu "lembrar" aos meus companheiros de noite que antes das 3h íamos embora, já que ambos tinham um casamento no dia seguinte.

Já há muito tempo que não estava tão confortável nos Maus Hábitos (Maus Hálitos), na sala de trás tocavam os "Cartell70" que infelizmente não estavam a ter a plateia merecida, mas nós também não estávamos com a energia necessária para um concerto daqueles. Ficamo-nos pela Lounge, pelas Superbocks, pelos risos e pelas piadas recorrentes que só fazem sentido partilhadas com aquelas pessoas.

A noite estavam bem encaminhada quando vejo entrar, acompanhado de 2 amigos, alguém que já não via à séculos. Nunca perdemos o contacto mas também nunca o mantivemos, tirando um sms no Natal ou no Ano Novo não havia mais nada a contar.
Tudo isto não tinha a menor importância se não fosse o facto de só encontrar J em momentos peculiares, em alturas de transição, quando a minha vida está demasiado confusa.
O mais estranho é que me traz uma sensação de calma e bem estar, talvez porque sei tão pouco acerca do J, sei o essencial e o sobrenome não é essencial.

Thursday, November 09, 2006

- Zangada


Chega devagarinho, vai abrindo caminho espalhando-se sem darmos pela sua presença até ao dia em que tudo nos parece um bocado mais escuro que o habitual.
Turva o pensamento, dá-nos uma falsa sensação de protecção e de poder, sentimo-nos poderosos, indestrutíveis.
Até ao dia em que nos consome por completo ou até nos conseguirmos libertar deste pequeno animal, deste ódio de estimação.
Nestes 2 últimos dias estive perto de me perder e de me deixar levar pela raiva que sinto, felizmente percebi que não vale a pena.


"...he said 'It's all in your head,' and I said, 'So is everything'
But he didn't get it I thought he was a man
But he was just a little boy..." Fiona Apple

Tuesday, November 07, 2006

Hoje



Estou zangada.

Sunday, November 05, 2006